Onde eu guardo um sonho

novas janelas para o circo

AD_OGUS-FB-programacao_01.jpg

A artista de circo Adelly Costantini, com o apoio da Lei Aldir Blanc,  lançou em março de 2021, uma programação gratuita e on-line focada em circo para crianças, processo criativo para espetáculos circenses e acessibilidade. O evento trouxe dois vídeos para crianças (sendo um de animação), duas peças on-line, um documentário e uma roda de conversa (esta em transmissão ao vivo).

 

Os vídeos são criações livremente inspiradas no espetáculo infantojuvenil “Onde Eu Guardo Um Sonho”, criado por Adelly Costantini com direção de Flavio Souza, e que teve sua estreia em 2019.

 

A artista investiga caminhos para que o circo contemporâneo ocupe novos espaços, se integrando ao meio audiovisual, nas plataformas on-line, e assim possa oferecer às crianças obras alternativas aos convencionais canais por assinatura e plataformas de streaming.

Para assistir aos vídeos, Clique nos links abaixo!!

Onde eu guardo um sonho - animação

O vídeo foi criado em período de confinamento devido ao Covid-19. Refletindo sobre as possibilidades de circo através de plataformas online, a produtora, artista e mãe Adelly Costantini pensou em estudar a montagem de um vídeo onde o circo e a acrobacia aérea se encontram com a técnica da animação e viodegrafia, trazendo a fantasia que o desenho animado pode proporcionar, para uma dramaturgia circense.

Inspirado no espetáculo de circo infantil Onde eu guardo um sonho, com roteiro feito por Adelly Costantini e Flavio Souza (também criadores do espetáculo) e animações feitas por Rico e Renato Vilarouca, o filme traz o mundo onírico junto ao corpo acrobático que vira de todos os lados e parece flutuar nas nuvens, da acrobática artista. Além disso, a estrutura de acrobacia da artista é original e utilizada exclusivamente para o espetáculo Onde eu guardo um sonho. A trilha sonora, também original, foi criada pela músico Ricardo Dias Gomes. Mergulhos no mar, ventos que derrubam a artista em loucas acrobacias, animais que se penduram na estrutura e muitas outras histórias mirabolantes que podemos criar nos sonhos (ou acordados!).

O vídeo possui a versão para pessoas sem deficiências auditivas ou visuais e outra versão com audiodescrição e legendagem para surdos e ensurdecidos.

nessa casa mora um monstro

Montagem de vídeo para criança.

Em meio a travesseiros gigantes, surge um monstro, que nada mais é do que uma enorme almofada, com suas rugas, nariz e boca! O personagem foi criado para a peça de circo ‘Onde eu guardo um sonho’, de Adelly Costantini e ganhou destaque no vídeo onde acompanhamos seu cotidiano e a preparação para sua festa de aniversário.

O vídeo mostra com humor e surrealismo a situação do monstro em casa, em quarentena, ansioso para sua comemoração. O personagem foi construído para crianças, inspirado na riqueza de seus imaginários como quando, por exemplo, ao ver uma sombra de uma roupa na parede, os pequenos constroem uma sombra de vampiro, monstro ou qualquer outra criatura referente a suas fantasias. Já a obra de vídeo, foi pensada em trazer humor e absurdo à algumas situações pelas quais as famílias estão passando, durante o período de confinamento, proporcionado pelo COVID-19.

O vídeo possui uma versão sem acessibilidade e outra versão com recurso de audiodescrição e legendagem. O trabalho foi montado com roteiro, trilha sonora e cenografia originais, especialmente para a linguagem de vídeo, pela equipe criativa do espetáculo ‘Onde eu guardo um sonho’, como Adelly Costantini, Flavio Souza, Marcelo Callado, Antonio Pedro Coutinho eTuca Benvenutti.

dossiê de criação - onde eu guardo um sonho

Filme-documentário sobre o processo criativo do espetáculo ‘Onde eu guardo um sonho’. Relatos e reflexões sobre o espetáculo de circo contemporâneo, obras para o público infantil e linhas de pensamento da equipe criativa como direção, cenografia, trilha sonora, iluminação, entre outros.

 

FICHA TÉCNICA

 

Idealização e entrevista: Adelly Costantini

Roteiro, gravação e edição: Renato Mangolin

Entrevistados:

Mariana Elias (Tuca), Marcelo Callado, Flavio Souza, Anderson Dias e Dodô Giovanetti

roda de conversa sobre artes cênicas e acessibilidade

Participantes:

. Mimi Aragon (sócio-fundadora da OVNI acessibilidade)

- Kemi Oshiro (sócio-fundadora da OVNI acessibilidade)

. AnaLu Faria (artista circense, ex-atleta parapanamericana de judô)

-Adelly Costantini (produtora e artista circense.

. Mediação: Andreia Chiessorin

. Tradução em libras ao vivo: Diana Dantas

QUANDO EU ABRO OS OLHOS, EU ACORDO.

' Quando eu abro os olhos, eu acordo' foi uma produção audiovisual criada para o Festival Online 'Circo no museu'. 

Inspirada livremente nas partituras coreográficas do espetáculo 'Onde eu guardo um sonho', a artista recriou o contexto para transformar o trabalho em uma intervenção que pode ocorrer tanto online quanto presencial.

Esse vídeo faz parte dos estudos de circo para vídeo, vivido no período de isolamento social pela COVID 19.

pousa

'POUSA' é um trabalho de vídeo experimental, feito pela artista Adelly Costantini e o músico Marcelo Callado. O trabalho investiga as possibilidades do improviso, utilizando da acrobacia aérea e o suporte dentro da própria casa para que a cena aconteça.

Descanso de oficina

'Descanso de oficina' é um registro do processo de pesquisa de movimento da artista Adelly Costantini nos aéreos. O vídeo foi gravado na Fundição Progresso, importante centro cultural no Rio de Janeiro.

A lira, aparelho circense de acrobacia aérea, foi o suporte base de pesquisa da artista, para desenvolver novas linguagens e expressões do corpo suspenso.

RESPIRO

'RESPIRO' foi um número criado por Adelly Costantini e Julio Nascimento, contemplado pelo Prêmio Funarte Carequinha de Circo.

A lira de dois pontos, é um aparelho pouco utilizado no Brasil e foi explorada nessa montagem pelos dois artistas.